Páginas

terça-feira, 18 de julho de 2017

Jorge Solla: GLOBO PLANTA CORTE DE GASTOS E EXPLORA AS CONSEQUÊNCIAS


Esse vídeo vale ver até o fim. A Rede Globo prestou um gigante desserviço ao país. Defendeu em seu noticiário o Teto dos Gastos como uma medida imprescindível para o país sair da crise. Aconteceu o oposto, a PEC afunda o Brasil numa crise ainda maior e a Globo faz de conta que não tem nada a ver com isso. É muita cara de pau.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

NOTA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE: JOSÉ, PARA ONDE?

...”Com a chave na mão quer abrir a porta, não existe porta; quer morrer no mar, mas o mar secou; quer ir para Minas, Minas não há mais. José, agora?…
(E agora, José – Carlos Drummond de Andrade)


Sobre o importante anúncio de repasse bilionário de recursos fundo a fundo para os municípios: mas, “e agora José?” Qual é o critério de rateio?

O Conselho Nacional de Saúde parabeniza o Ministério da Saúde pelo anúncio do repasse bilionário de recursos SUS – R$ 1,7 bilhões – para os municípios (disponível em 

Mesmo que tais recursos estejam destinados para serviços já habilitados (que aguardavam apenas a publicação), como já ocorreu em outras oportunidades, a formalização dos recursos a serem transferidos para estados, Distrito Federal e municípios é muito importante para que o atendimento das necessidades de saúde da população nas unidades de saúde pública instaladas pelo Brasil. Mas, é isso que nos preocupa, qual é a garantia de que as necessidades de saúde da população que estão sendo atendidas com tais recursos estejam priorizando uma mudança do modelo de atenção em que a rede de serviços de saúde esteja organizada a partir do fortalecimento da atenção básica, conforme tem insistentemente preconizado o Conselho Nacional de Saúde, com base nas diretrizes estabelecidas na 15ª Conferência Nacional de Saúde realizada no final de 2015?

“A presença de Barros no comando do Ministério da Saúde é uma das anomalias que sobrevivem no governo desnorteado de Michel Temer”

A ira dos médicos

por Leandro Colón na Folha de S. Paulo (reproduzido no blog do Celso Nascimento)

Ministro da Saúde mostra não ter noção da realidade do país

BRASÍLIA – “Vamos parar de fingir que pagamos o médico e o médico parar de fingir que trabalha”. A infeliz declaração (mais uma) do ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), provocou a ira de entidades.

O CFM (Conselho Federal de Medicina) e a AMB (Associação Médica Brasileira) classificaram os comentários de Barros, feitos na quinta (13), de “inadequados” e “pejorativos”.

No centro da discussão, a produtividade dos médicos. Barros diz que defende a fiscalização dos profissionais do SUS por meio de biometria. Representantes do setor alegam que o ministro não conhece o dia a dia do sistema público. “Sugerimos ao ministro que volte para a engenharia. Na área da saúde, ele ainda não conseguiu provar a que veio”, declarou a FMB (Federação Médica Brasileira).

A presença de Barros no comando do Ministério da Saúde é uma das anomalias que sobrevivem no governo desnorteado de Michel Temer.

domingo, 16 de julho de 2017

Fabricante americano de próteses admite propina a médicos brasileiros

Propina era para médicos usarem produtos em pacientes do SUS.
Médicos faziam cirurgias desnecessárias só para ganhar mais.

no portal G1

Uma investigação nos Estados Unidos revelou que um dos maiores fabricantes de próteses do mundo pagava propina para médicos brasileiros usarem seus produtos em pacientes do SUS.
Os médicos faziam cirurgias desnecessárias só para ganhar mais.
A dor na coluna incomodava, mas foi a sentença rápida do médico que assustou: “Ele disse que eu precisaria operar”.
Um segundo médico descartou a necessidade de cirurgia e o problema foi resolvido com fisioterapia: “Estou super bem, tranquila”.
Mas não se sente segura para mostrar o rosto, tem medo da chamada “Máfia das Próteses”.

sábado, 15 de julho de 2017

Ministério solta portaria fascista contra indígenas e quilombolas: agora as forças policiais vão definir as políticas de “organização social”

Medida propõe que Polícia Federal e Secretaria de Segurança Pública determinem políticas para indígenas e quilombolas


O Ministério da Justiça publicou no dia 6 de julho uma portaria de cunho fascista instituindo um “grupo de trabalho” para agir contra indígenas e quilombolas. Após protesto, republicou na quinta-feira 13 a mesma medida, alterando apenas uma palavra, o que tornou o texto ainda mais agressivo aos direitos fundamentais desses coletivos tradicionais.

Inicialmente com o objetivo da “integração social” de comunidades indígenas e quilombolas a ser planejada por um grupo que reúne Polícia Federal e órgãos de segurança pública, o texto republicado vem com outra aberração ao Estado de Direito: agora as forças policiais vão definir políticas de “organização social” desses coletivos tradicionais. A medida vem na esteira da CPI da Funai e do INCRA, que tenta criminalizar lideranças indígenas e quilombolas e aliados da sociedade civil.

"Só uma mulher sabe o que é ter uma gravidez indesejada"

por Deutsche Welle - reproduzido na Carta Capital

Especialista em saúde reprodutiva comenta estágio do debate sobre aborto no Brasil e cita "propostas absurdas"

aborto é considerado crime no Código Penal Brasileiro com exceção de três circunstâncias: quando a gravidez representa risco de morte para a mulher, quando a gravidez é resultante de estupro ou quando o feto apresenta anencefalia.
O assunto é foco de constantes discussões na sociedade brasileira. Recentemente, a epidemia do vírus zika reavivou o debate sobre o direito ao aborto, especificamente devido ao risco de microcefalia provocado pela doença.
Também gerou polêmica o projeto de lei (PL) 1465/2013, do Distrito Federal, que prevê que imagens do desenvolvimento fetal sejam mostradas a mulheres vítimas de estupro antes de deixá-las decidir se querem ou não abortar. Após milhares aderirem a uma campanha online, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) comprometeu-se a vetar a proposta, o que deve fazer formalmente até a próxima semana.
"Muito do tempo das feministas e do movimento progressista no Brasil foi gasto nas últimas décadas para barrar o avanço de propostas absurdas", destaca a psicanalista e pesquisadora da Unicamp Margareth Arilha, que se dedica desde os anos 1980 a questões de gênero, saúde reprodutiva e políticas públicas.
Nesta entrevista, a especialista discute a questão da descriminalização do aborto no Brasil e fala sobre os avanços e retrocessos dos direitos reprodutivos no País. "A luta sempre partirá mais das mulheres. Sempre será difícil para um homem compreender", diz.

Gabriel Garcia Marques, Garcia Lorca e Giuseppe Garibaldi apareceram no Largo da Ordem

Comentário de "Anônimo" na postagem 

É amanhã moçada! Grito da Senzala, na frente do casamento da Maria Antonieta!


A República de Curitiba parece mesmo o cenário de um dos contos fantásticos de Garcia Marquez. Um display sobre a mesa do Senhor Garibaldi avisa: "o centro está ficando cada vez mais histórico". Profecia certeira. Um 14 de Julho para fazer remexer os esqueletos dos revolucionários franceses. 

O suntuoso casamento da deputada estadual Maria Vitória, herdeira política do clã Barros, mais que acintoso, pareceu provocação. 

Reunindo representantes do segundo estado brasileiro atraiu a fúria de uma multidão do terceiro estado. 

Com 14 milhões de desempregados ninguém jogou arroz na noiva. Do céu vieram tomates e ovos. 

Seguranças armados com poderosos guarda chuvas não deram conta do recado. Não foi problema. Lá estavam os valorosos integrantes do pelotão de choque da Polícia Militar. Capacetes, escudos de acrílico e coletes a prova de balas (quem nem sempre são a prova de fraudes) lembram uma versão moderna das SS, porém, com o mesmo “sanguenoszóio”. 

Chove tomates. Lá vem bombas de efeito moral...uma....duas.... Chove ovos. Lá vem balas de borracha. 

Mesmo sem ter um Garcia Lorca, Curitiba ganha suas "Bodas de Sangue". Os policiais assistem sem prestar socorro ao ferido. Afinal, ele é o inimigo. Eles estão lá para proteger a distinta realeza. 

Imagino o velho Garibaldi, herói de dois mundos, que hoje empresta o nome a sociedade onde a nobreza curitibana dança sua versão, quem sabe, do baile da Ilha Fiscal, se contorcendo indignado. 

Dizem que bêbados são sóbrios infelizes que bebem para esquecer e, que, quando esquecem lembram que são felizes. Assim, um deles acorda para o é da coisa - com licença de Clarice - e convida a todos para uma selfie inesquecível na porta do paraíso. 

Entre eles e o grande salão um cordão de policiais impassíveis, versões mal acabadas de um robocop aparentemente em estado de choque. 

O bando de bêbados lembra os meninos perdidos da Terra do Nunca. Em vez do Peter Pan quem surge é uma versão do Chapeleiro Louco que convida todos a dançar. 

Frank Sinatra canta e o baile na calçada segue animado. A noiva surge no alto da escadaria e todos esperam que ela sugira que, faltando pães, comam brioches. Ela se cala, preserva a cabeça, dá meia volta e desaparece. 

Lá vai a Bela dando costas às feras e sorrindo para seus convidados que iniciam a dança dos vampiros. Enfants de la Patrie é assim que Curitiba celebra a queda da Bastilha. 

Que estourem os fogos!

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Mais recursos para Atenção Primária? Não! Apenas mais um factoide do boquirroto golpista



Gente, eu fico impressionado com a cara de pau desse governo. E tão impressionado quanto com gente que, em vez de cobrar e exigir uma boa gestão do SUS, se presta ao papel de claque.

Ontem, aqueles sujeitos acima de qualquer suspeita, Temer e Ricardo Barros, anunciaram 771,2 milhões para a Atenção Básica.

- Ok, isso é aproximadamente 4% do orçamento da Atenção Básica, aquele mesmo que já acumula 20% de perdas comparando 2016 com 2014 e acumulará ainda mais perdas neste ano.

TCU realiza auditoria no Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde

O órgão é responsável por auditar a adequação das ações e dos serviços públicos de saúde e a sua regularidade quanto aos aspectos contábeis, financeiros e patrimoniais da aplicação dos recursos do SUS


Auditoria realizada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) identificou diversos achados que impedem o bom funcionamento do Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde (Denasus), componente federal do Sistema Nacional de Auditoria (SNA), órgão responsável por auditar a adequação das ações e dos serviços públicos de saúde e a sua regularidade quanto aos aspectos contábeis, financeiros e patrimoniais da aplicação dos recursos do Sistema Único de Saúde (SUS).

5 anos após Reforma Trabalhista na Espanha, 34% dos trabalhadores ganham menos de um salário mínimo

Salários despencaram e patrões embolsam o lucro, diz estudo



Com informações da RTVE - http://www.rtve.es/noticias/20170430/gestha-denuncia-47-trabajadores-cobra-menos-1000-euros/1534620.shtml

Os últimos dados, que são de 2015, mostram que 47% dos trabalhadores espanhóis ganha menos de mil euros por mês, essa é a proporção mais alta desde que começou a crise. Exatamente: mesmo no auge da crise não haviam tantos trabalhadores ganhando tão pouco.

O maior alerta é que 34,4% dos trabalhadores ganha menos de um salário mínimo. A proporção dos trabalhadores em condição de pobreza extrema vem aumentando desde a reforma trabalhista, ocorrida em 2012.

Melhora na economia não refletiu melhores salários

Segundo o Gestha, órgão governamental espanhol, a atividade econômica, alta do PIB e benefícios a empresários não se refletiu em melhores salários. Os empresários embolsam o lucro.

O número de diretores de corporações ganhando salários acima de 300 mil euros ao ano subiu para 136.502 pessoas. Essas 136.502 pessoas ganham mais que os 5,7 milhões de trabalhadores com salários mais baixos juntos.

A reforma trabalhista, que fez a Inglaterra ver miséria e salários baixos pela primeira vez em sua história nos tempos de Thatcher, agora faz a Espanha ver a desigualdade social disparar.

O SUS não é um mercado de medicamentos e tecnologias

Por  no ConJur (dica da 
Caroline Rocha)
O contínuo crescimento da judicialização da saúde — que chegou no ano passado, segundo o Relatório de Justiça (CNJ, 2016[1]), a mais de 800 mil ações, com inúmeras decisões que incorporaram de modo individual tecnologias em saúde[2], sem os regramentos da Lei 12.401, de 2011, do Decreto 7.646, de 2011, e da Lei 6.360, de 1976 — requer que sejam ampliadas as reflexões para se evitar que o SUS seja atuado como se fora um shopping de medicamentos e tecnologias, de livre escolha, ao arrepio de seus regramentos.
De acordo com dados do Ministério da Saúde veiculados pela mídia, chegam a R$ 7 bilhões os gastos com procedimentos, tecnologias e medicamentos decorrentes de decisão judicial[3], muitas afastadas dos parâmetros públicos que fixam um rol de medicamentos e procedimentos pelas Relação Nacional de Medicamentos (Rename) e Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde (Renases) e outras regras administrativas. Sob a intenção de tornar efetivo o direito à saúde, ele poderá ser mitigado.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Do trabalho, do seu preço e de seus valores

por Ângelo Cavalcante* (recebi por whatsapp)

Negocia, pretinho da favela; copeira do bairro popular; serviçal da brenha! Negocia! Te quero ver negociando! Antes, toma banho, põe os dentes e passa a camisa. Quero muito te ver diante daquele engravatado engomado e rebuscado te citando leis, normas e, por fim, te dizendo um rotundo "não"! Você, tímido como é, vai babar de admiração diante do dialeto dos burocratas. Não, não se desespere... Toma teu santo, faz tua oração e vai na justiça do trabalho e que, por sinal, eles querem pôr fim!

Negocia, negocia tu que tanto ignorou o sindicato; que nunca foi numa assembléia, que se irritava com tanta paralisação e que no despautério corriqueiro, chegou a denunciar sindicalistas e associados de terem "vida mansa".

Vai lá... Negocia! Encara advogados, administradores e psicólogos da empresa, aquele pessoal especializado do RH; a mesma gente simpática, matreira e paciente que tem o condão de fazer você crer que, de fato, o grande errado não eram eles e que a bem da verdade, é você quem os deve.